RSS

Arquivo da tag: dedo

Um olhar mais demorado #2


Já vi muita fotografia de dedos e confesso que sou um apreciador da simplicidade dessa categoria. Fotos em macro realmente me impressionam.

Foi quando tive a idéia de fazê-las com minhas próprias mãos, no caso, dedos.. hehe.

Jesus Clipe – A mensagem é maior que a arte

Se você está lendo isso creio que tem capacidade o suficiente para entender o porquê do nome “Jesus Clipe”. Então, dispensa comentários.

A execução dessa foto foi mais simples do que você possa imaginar.

Dois clipes formando uma cruz. Cinco dedos e cada dedo com uma letra do nome de Cristo.

O fato curioso dessa fotografia é que fui forçado a não roer as unhas por alguns dias. Não ia “ficar bem na foto” com as unhas mal feitas (risos).

O resto foi mais inspiração do que qualquer outra coisa.

Eles se saúdam

Quem não se lembra da musiquinha infantil da Eliana: “Meus dedinhos, meu dedinhos, onde estão? Aqui estão. Eles se saúdam, eles se saúdam e se vão”? Isso explica o título dessa foto, fazendo alusão a música.

“-Usei de caras, bocas e gestos expressos através dos meus dedos.”

Ô lôko, Rayan! Que dedo tinha cabeça, eu sabia. Eu próprio já arranquei fora a cabeça do dedão do pé. Mas, que tem caras e bocas é a primeira vez, Rayan.

Tentei expressar sentimentos, momentos, caras e bocas através dos dedos (por mais que isso seja estranho).

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em julho 30, 2011 em Sem categoria

 

Tags: , , , ,

Um olhar mais demorado #1


Um olhar mais demorado

A fim de partilhar um pouco sobre minhas experiências fotográficas, criei uma série que eu próprio denominei de “Um olhar mais demorado”. Nessa série mostrarei análises sobre minhas fotografias, além de detalhes como: dicas, curiosidades, modos de execução, iluminação, material sobre o assunto fotográfico, categorias, estilos e técnicas usadas.

Alguém, em algum momento, disse que a literatura tem o poder e a intenção de causar silêncio nos leitores. Partindo dessa idéia é que entendo que a fotografia (enquanto arte) tem o poder de causar a pausa dos olhos de quem vê. Uma reflexão. Uma apreciação. Uma reverência. Um olhar mais demorado.

FireMan

FireMan

Quando criança nunca tive dotes com massinha de modelar, conseguia elaborar no máximo uma cobrinha sem cabeça e olhe lá. Ciente dessa dificuldade pensei (a princípio) fazer uma fotografia em duas dimensões, apenas com a massa achatada na superfície e nada além disso. Só que eu não devia ter me subestimado (risos).

Comecei com um velho e bom rascunho no papel (#ficadica). Planejei cada peça em tamanhos, quantidade de massinha e formas. Depois determinei uma seqüência de mão-de-obra, partindo da base (corpo) até as extremidades (braços, pernas) e etc.

Com muita dificuldade, usando uma agulha, agreguei olhos, boca e cabelo no corpo.

Na imagem não fica claro por que não se tem um ponto de referência, mas o tamanho total do boneco não ultrapassa 3cm². Por isso a dificuldade para encaixar as partes.

Uma das partes mais difíceis, com certeza, foi sincronizar o fósforo aceso no ato na fotografia. Além da falta do tripé e de eu ter que acender o fósforo com a mão esquerda enquanto a direita fazia o foco da imagem, era noite e tive que baixar a iluminação para que o fogo do fósforo pudesse ficar mais evidente na imagem. Por conta disso, ao clarear a foto, me deparei com uma pequena granulação, mas nada que comprometesse o trabalho.

Para os próximos encontros pretendo criar mais personagens e quem sabe num futuro muito próximo criar pequenos vídeos em stop motion.

Mais detalhes sobre essa e outras fotografias no meu flickr.

 
1 comentário

Publicado por em julho 22, 2011 em Sem categoria

 

Tags: , , ,